Lição de ano velho

À escrivaninha. 31º C lá fora. Céu limpo, com um azul clarinho e nuvens, muitas nuvens. E um calor escaldante, com sensação térmica de 34°C, característico desta cidade. Primeira semana de janeiro, e não tenho planos ou metas definidas para o ano novo, diante da incerteza de uma vacina para a epidemia. Há, apenas, uma … Ler mais

Dezembro na pandemia

À escrivaninha. 31°C lá fora. Céu encoberto com nuvens e muito calor, com sensação térmica de35°. Verão está anunciando sua breve chegada. Embora o Natal esteja chegando, ainda estou preocupada com os efeitos da Covid-19 em nossas vidas. A epidemia nos deixa meio melancólicas e na expectativa de que algo aconteça. Enquanto a vacina não … Ler mais

Vendo a vida passar

À escrivaninha.  28 º lá fora. O céu permanece nublado, esbranquiçado. Parou de chover. O sol primaveril apareceu, sobre o céu encoberto. No grupo de mulheres de que participo, discutíamos sobre envelhecimento saudável. Uma amiga querida citou-me como um exemplo de envelhecer com ternura e naturalidade. Refleti sobre isto e constatei que não tenho problemas típicos … Ler mais

Isolada, mas feliz

À escrivaninha. 21ºC lá fora, com sensação de 20ºC. Inverno despedindo-se. Minha amiga Tetê me disse, ontem, durante nossa conversa em vídeo, que eu preciso sair de casa para tomar sol, ou terei problemas. Quando a ouvi dizer esta última palavra, pensei que se referia ao fato de eu me isolar do convívio social. Imaginei, … Ler mais

A graça dos cabelos grisalhos

À escrivaninha. 22ºC lá fora, nublado, com chuvinha e friozinho carioca. Finalmente, inverno, no Rio. No reencontro com minha amiga Sandra, antes da pandemia, ela me disse que eu não havia mudado nada, estava muito bem e só precisava pintar o cabelo. Imagina, de jeito nenhum! Liberdade. É incrível como tentam nos obrigar aos artifícios … Ler mais

Narrar é selecionar detalhes

À escrivaninha. 22°C lá fora. Manhã nublada. Distanciamento social. Assisto às aulas do curso Escrita Criativa, em um aplicativo, todas as manhãs. O professor diz: “narrar é selecionar detalhes”. Com este olhar seletivo, escolho o que me parece relevante. O que meu coração seleciona como tocante. Não quero registrar o que fere e decepciona. Realismo … Ler mais