Você vai me deixar falar?

À escrivaninha. 22°C lá fora. O céu está nublado, encoberto, cinzento. Quero meu azul de volta! Inexplicavelmente, sinto frio. Estive refletindo sobre se é fácil conviver comigo, agora que passei dos 60 anos. Eu penso que sim. Suponho que as minhas meninas podem discordar, mas, sou, sim, fácil de conviver. Preciso de bem pouco para viver e não gosto de conflitos. … Ler mais

O amor é como uma nuvem

À escrivaninha. 21°C lá fora. Céu nublado e triste. Como meu coração. Deixe ir, digo para ele. Aprecie o silêncio. Respire. Morda a língua. Seja monossilábico. Pratique a atenção plena. Supere as pequenas (as grandes também) humilhações cotidianas e não permita que se repitam. Refugie-se. Ouviu, coração? O amor dóiO amor machuca e marcaQualquer coraçãoNão … Ler mais

Como as águas de um rio através das pedras

À escrivaninha. 25ºC lá fora! O sol brilha lindamente. É inverno, naturalmente, frio e úmido, mas, aqui, no Rio, não estamos habituados a temperaturas tão baixas, como as das últimas semanas. Então, quero apreciar este dia ensolarado com alegria e gratidão. Pergunto-me, dia após dia, se a pandemia acabará em algum momento. Tenho a impressão … Ler mais

Resiliência ante as humilhações cotidianas

À escrivaninha. 16°C lá fora. Céu cinzento. Os dias têm sido frios e chuvosos, chegando a alguns dígitos abaixo de 15°C. Isto é incomum para o Rio. Ultrapassar a meia-idade trouxe-me a compreensão e a consciência de certas particularidades da pessoa idosa. Trouxe-me, em consequência, a capacidade de ser resiliente após algumas pequenas humilhações cotidianas. Trouxe-me, … Ler mais