Refúgio à janela

À escrivaninha. 31°C lá fora. Céu limpo, com uma luminosidade estonteante. Em uma semana será primavera! Amo dias claros e quentes. Os dias têm sido uma repetição de curtir a solidão da leitura e da escrita. São, literalmente, horas, às voltas com livros e blogs. Sentada, diante da janela, à escrivaninha, olho o céu, ouço os … Ler mais

Você vai me deixar falar?

À escrivaninha. 22°C lá fora. O céu está nublado, encoberto, cinzento. Quero meu azul de volta! Inexplicavelmente, sinto frio. Estive refletindo sobre se é fácil conviver comigo, agora que passei dos 60 anos. Eu penso que sim. Suponho que as minhas meninas podem discordar, mas, sou, sim, fácil de conviver. Preciso de bem pouco para viver e não gosto de conflitos. … Ler mais

Apressar em diminuir o ritmo

À escrivaninha. 23°C lá fora. O céu está encoberto e sombrio. Uma ventania agradável e assustadora prenuncia a queda da temperatura novamente. Que pena. Surpreendi-me estressada por coisas pequenas, por problemas menores. Por que essa necessidade repentina de resolver pendências tomou conta de mim? Antes, eu estava me sentindo tão confortável por deixar que as … Ler mais

Precisamos apenas aproveitar cada dia

À escrivaninha. 23°C lá fora. O sol continua a brilhar em um céu maravilhosamente azul. Sinto calor. Gosto disso. Fiz mingau de aveia e suscitei lembranças da infância e adolescência, na cozinha de mamãe. Nostalgia. A aposentadoria pode ser solitária. Não significa que seja triste. Estou confortável em minha condição de “não ocupada”. Algumas manhãs, percebo … Ler mais

Esperando a magia da serendipidade me encontrar

À escrivaninha. 32°C lá fora. O sol brilha em um céu absurdamente azul. O frio se foi. Isto é tão bom. Então, estamos de volta ao avanço de Covid, com aumento de casos e internações. O Rio continua sendo um lugar adorável para se viver, mas, se pudéssemos nos livrar de algumas pessoas irresponsáveis, as coisas … Ler mais

O amor é como uma nuvem

À escrivaninha. 21°C lá fora. Céu nublado e triste. Como meu coração. Deixe ir, digo para ele. Aprecie o silêncio. Respire. Morda a língua. Seja monossilábico. Pratique a atenção plena. Supere as pequenas (as grandes também) humilhações cotidianas e não permita que se repitam. Refugie-se. Ouviu, coração? O amor dóiO amor machuca e marcaQualquer coraçãoNão … Ler mais