É como estar em férias permanentes

À escrivaninha. 22ºC lá fora. Céu limpo, sem nuvem alguma. Um tapete azul deslumbrante. Está maravilhoso assim. Já basta de frio. Curiosamente, estou de casaquinho leve e meias dentro de casa…

Aceitei, finalmente, que estou livre da responsabilidade de ter de trabalhar. Eu perdi tanto tempo tentando desempenhar um papel de ocupada que não era mais meu. Tenho trabalhado para me amar e me divertir. 

Aprecio meus dias tranquilos de aposentada. Não quero fazer nada grandioso nessa fase da vida. Há quem prefira se comprometer em novas atividades: viajar, estudar, criar, se exercitar, empreender, trabalhar. Tantas opções disponíveis e interessantes para o tempo livre da aposentadoria. Mas não para mim.

As pessoas têm prioridades diferentes, quando aposentadas. Eu não quero viver a vida no mesmo ritmo de quando estava trabalhando. Aposentadoria ocupada é para outras pessoas. Definitivamente não é para mim.

Estou comprometida em ser gentil comigo mesma. Isto é Libertador: ter a coragem e o discernimento de escolher o que é melhor para mim.

Eu não quero preencher meus dias com atividades que demandem comprometimento físico e emocional. Prefiro seguir um caminho mais simples e descontraído, sem horários e estresses. É tão bom estar livre de compromissos e expectativas.

Meus dias estão preenchidos com pequenas coisas que satisfazem minha alma. É uma fase da vida muito tranquila e agradável. Não quero estar ocupada o tempo todo, nem preencher cada dia com uma infinidade de eventos planejados.

Desejo envelhecer usando meu talento para me divertir e aos outros. Meu projeto de leitura, por exemplo, um clube do livro virtual, tem se mostrado útil para me entreter e para exercitar meu cérebro. E compartilhar alegria e companheirismo com pessoas queridas que participam desta brincadeira.

Cada dia é uma oportunidade para não fazer nada que exija “bater cartão de ponto”. Eu decido a hora de blogar, de ler, de jogar, de assistir a algo, de cozinhar, ou de fazer qualquer outra coisa.

É como estar em férias permanentes! Sem culpa.

Foto de Engin Akyurt no Pexels

2 comentários em “É como estar em férias permanentes”

  1. Oi, Denise!!
    Novo espaço, nova vida, sem tempestades e ímpetos 🙂 Ah, essa paz! Quem não quer? Também quero me aposentar para cuidar da minha sanidade mental. A correria não é saudável. Bom que pode escolher assim!
    Amei te ver no Luz! Agora sei o caminho pra cá!!
    Beijus,

    Responder
    • Oi, Luma, que bom recebê-la!
      Que interessante sua referência ao “Sturm und Drang”!. É verdade, tranquilidade em meio ao caos é o que tenho procurado. Não é um caminho fácil, requer renúncia a algumas coisas, já que precisamos “conviver”.
      Volte sempre!
      beijo, menina

      Responder

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.